XIII ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA DA ANPUH-PB
Relação de Simpósios Temáticos

01 A (re)invenção da historiografia brasileira pós 1980: um campo de batalha para "Modernos" e "Pós-Modernos"
Wagner Geminiano dos Santos - UFPE
Giscard Farias Agra UFPE/UFCG

Este simpósio temático tem por objetivo estabelecer um espaço de discussão em torno da constituição da historiografia brasileira pós 1980. Buscando pensar a sua constituição ou porque não dizer a sua invenção como um campo de batalha entre "Modernos" e "Pós-Modernos". Pensar a historiografia brasileira pós 1980 nestes termos nos permite problematizar a produção historiográfica nacional das últimas três décadas atentando não apenas para a recepção, apropriação e uso de novas teorias e metodologias, mas também para as relações de força e poder que se estabelecem entre os historiadores que adotam ou se posicionam no "paradigma moderno" e os historiadores que encampam as teorias ditas "pós-modernas", o que, acreditamos é um aspecto definidor, nos dias atuas, da própria produção da historiografia nacional, de seus principais temas, objetos, de suas pertinências e regras.

02 O Século da Espiral: política, economia e movimentos sociais no século XX
Damião de Lima - UFPB
Paulo Giovani Antonino Nunes - UFPB

O presente simpósio temático tem como objetivo discutir as diversas modificações, inovações e permanências ocorridas no campo político, econômico e na atuação dos trabalhadores e da sociedade civil durante o século XX, no mundo e especificamente no Brasil. Inicialmente, realizaremos a discussão com o exame do postulado econômico liberal e seu correspondente político, a democracia liberal dominante até os anos 20; a seguir vamos inserir o cenário de crise e contestação política e econômica a esse modelo de desenvolvimento, no final dos anos 20 e início dos anos 30. Na seqüência, passaremos pelo surgimento dos novos modelos de desenvolvimento que predominaram até a II Guerra Mundial, ou seja, o modelo de intervenção econômica e política Nazi-Fascista, Socialista e Social-Democrática em suas diversas variantes; e, adentraremos no novo modelo de desenvolvimento surgido dos escombros da II Guerra: o Welfare State e seus diversos modelos nacionais. Ainda, nesta trajetória, analisaremos a crise dos anos 70 e 80 e sua "possível" solução com o Consenso de Washington e o neoliberalismo. Dentro deste amplo quadro político e econômico, merecerá destaque a atuação dos trabalhadores, com suas variadas formas de organização, no sentido de apoios, contestação e resistências aos referidos modelos presentes no século XX. Destarte, discutiremos as principais transformações ocorridas nas formas de organização da produção, bem como nas formas de organização política vivenciadas pelos povos que viveram esse conturbado e fascinante século.

03 Prática Pedagógica no Ensino de História
André Victor Cavalcanti Seal da Cunha UERN

Este simpósio busca constituir um espaço plural de discussão sobre o ensino de História. Temos como pontos de partida a compreensão de que este se caracteriza por ser uma práxis, bem como, por representar um objeto de pesquisa. Desta forma, estamos propondo um momento de diálogo para a construção de uma reflexão coletiva e sistemática acerca das problemáticas vivenciadas nas salas de aula de nossa disciplina escolar. Esperamos contar com a participação de professores, graduandos e pesquisadores, na socialização de relatos de experiência e trabalhos de investigação acadêmica. Possuindo como eixo o ensino de História, mas tendo como marca a diversidade, abordaremos nas discussões diferentes temáticas relativas a prática pedagógica, tais como: o currículo, o livro didático e sua utilização, os fenômenos didáticos, o uso de diferentes linguagens.

04 Novas linguagens no ensino de História
José Luciano de Queiroz Aires - UEPB

O objetivo desse ST, consiste em discutir os aspectos concernentes às chamadas novas linguagens no ensino de História. Entre essas, podemos citar: o cinema, a música, as HQS, charges, pintura, fotografia, literatura, as oralidades, o cordel, problematizando as possibilidades metodológicas para a sala de aula da Educação Básica, sempre levando em consideração os aspectos teóricos, igualmente importantes para situarmos o debate de tais linguagens no contexto da crise de paradigmas.

05 História e Imagens: fontes visuais na pesquisa e ensino de história
Regina Maria Rodrigues Behar - UFPB
Rossana de Sousa Sorrentino Lianza - UFPB

O presente simpósio temático tem como objetivo discutir a utilização das fontes visuais na pesquisa histórica (iconografia, fotografia, mapa, filme entre outros)e no ensino, propondo a discussão de referenciais, problemas, instrumentos de investigação e métodos operacionais para o estudo da imagem e a pesquisa histórica com base em fontes visuais, em como a problemática de sua utilização didática, levando em conta a importância da mesmas como legado da história da humanidade. As imagens estão presentes como documentos visuais, parte importante das representações do passado das mais diversas culturas, de suas tradições, festas, rituais e sociabilidades; como representações do político, do econômico, do religioso, do profano e das sociabilidades; das rotas e dos caminhos, do rural e do urbano; do público e do privado; do cotidiano e das guerras; dos heróis e dos anônimos, enfim, sem as imagens do passado, nossa própria imaginação histórica seria empobrecida pela ausência de referenciais de visualidade do espaço e tempos vividos. A presente proposição articula-se à renovação teórico-metodológica dos estudos históricos que deu novo status ao documento imagético, recolocando-o em outros termos, para além do meramente ilustrativo, a história das imagens e as imagens da e na história. Buscaremos indagar a função social, as práticas e representações das fontes visuais para a história e seu ensino, contemplando, desse modo, tanto a discussão teórico-metodológica e as pesquisas com fontes visuais como a reflexão sobre experiências inovadoras de sua utilização no ensino de história.

06 As Diversas Faces da Nação Brasileira: Sociedade e Cultura (1822-1930)
Fabrício de Sousa Morais - UEPB
Nayana R. C. Mariano - UEPB
 

Ligado as pesquisas desenvolvidas junto ao grupo Sociedade e Cultura na Paraíba Imperial, vinculado ao CNPq e coordenado pelas Professoras Ariane Norma de M. Sá e Serioja R. C. Mariano, bem como, fruto dos desdobramentos possibilitados pelas temáticas estudadas. A idéia é dialogar com as diversas pesquisas que remetem de maneira ampla ao período de formação da nação brasileira e as diferentes temáticas que englobam esse recorte temporal. Nesse sentido, podem ser contemplados vários trabalhos, como por exemplo: o papel desempenhado pelas festas, os embates políticos, o lugar ocupado pelos negros, indígenas e homens livres pobres, os processos educacionais e assim por diante. Os marcos temporais apontam dois caminhos que consideramos extremamente interessantes: primeiro, o momento da emancipação política do Brasil e todas as disputas que caracterizam o Império brasileiro do seu auge até a sua derrocada; segundo, as circunstâncias que se ligam ao fim da Primeira República e a um novo direcionamento na maneira de pensar o país. Com isso, não pretendemos ignorar a Proclamação da República (1889), mas sim atentar para as continuidades existentes entre o período imperial e as primeiras décadas desse novo período. Portanto, a proposta é articular pesquisas em desenvolvimento, envolvendo trabalhos de Iniciação Científica, monografias de conclusão de curso de Graduação, dissertações e teses. Além disso, congregar pesquisadores que vêm se dedicando a essas temáticas, embora o façam de modo isolado e que, a partir de então, possam participar dessas discussões, ampliando o campo teórico e documental de suas pesquisas.

07 História, Historiografia, Corporalidade e Afetos
Edna Maria Nóbrega Araújo - UEPB
 

O objetivo deste GT é reunir trabalhos que abordem temáticas relacionadas aos estudos historiográficos da corporeidade e dos afetos. Trata-se de enfatizar o papel da História Cultural e do tema das sensibilidades na produção historiográfica contemporânea discutindo conceitos como o de corpo, sensibilidades, beleza, amor, solidão, ódio, sexualidade, entre outros. Serão aceitos trabalhos que intencionem divulgar pesquisas em torno destas temáticas propostas, bem como textos que analisem a própria produção historiográfica sobre a corporalidade e os afetos.

08 Cultura, Gênero e Sensibilidades
Paula Faustino Sampaio - UFPE
Uelba Alexandre doNascimento - UFCG

Nas últimas décadas, o campo da história das mulheres e relações de gênero, com suas várias formas de olhar sobre o passado, mostrando que este pode ser desvendado a partir de múltiplas questões, entre elas algumas motivadas pelo presente, ampliaram seu número de estudos em um diálogo com a história social e história cultural, às vezes em uma abordagem micro-histórica, com a história das mentalidades e, por outro lado, com a perspectiva pós-estruturalista, notadamente os estudos de Michel Foucault. Diante desta ampliação temática, temos a intenção de reunir neste grupo de trabalho, estudos em andamento ou concluídas que pensam as múltiplas estratégias e resistências criadas e recriadas por mulheres e homens no cotidiano; a estrutura ocupacional feminina em um meio urbano e rural, destacando os papéis improvisados ou não nos diversos espaços; vivência no mundo boêmio; modos e formas de estar e vivenciar festas, passeios, peças teatrais e em outras diversões; formas de constituição de gêneros e sensibilidades no âmbito das peculiaridades das mudanças nas relações familiares, na vida sexual de mulheres e homens, utilizando fontes, abordagem e recorte temporal variados.

09 Gênero, Sexualidade e Educação: perspectivas históricas e historiográficas
Andreza de Oliveira Andrade - UEPB

Este Simpósio Temático é uma proposta de criação de mais um espaço de debates que possa abrigar trabalhos e reflexões sobre a constituição de nossas identidades de gênero e sexuais, vistas sob a perspectiva das práticas discursivas fomentadas pelas práticas educativas institucionalizadas pela escola e por diversos outros mecanismos educativos como, por exemplo, o currículo escolar, os quais são historicamente constituídos como importantes mecanismos de política cultural. Tais mecanismos têm sido historicamente acionados no sentido de naturalizar aspectos identitários dos sujeitos, que de fato são cultural e historicamente elaborados, como nossas identidades de gênero e sexuais. Nesse sentido, pretendemos abrigar trabalhos que contemplem discussões sobre Gênero, Sexualidade, Currículo, Educação e História das Mulheres.

10 Cultura, Saúde e Sensibilidades
Iranilson Buriti - UFCG
Joel Carlos de Souza Andrade - UFRN

Este Simpósio tem como objetivo reunir pesquisadores que abordem as temáticas voltadas para as diversas práticas culturais (locais, regionais e nacionais), as novas sensibilidades, a elaboração de identidades (geração, gênero, lugar, etc) e os discursos da saúde em torno do corpo e da nação.

11 História, Memória e Oralidade
Flavio Carreiro de Santana UEPB

Entendidas como possibilidades de enunciações sobre o passado no tempo presente, o uso metodológico da oralidade e o reconhecimento das histórias de vida vem possibilitando que o agenciamento de memórias (individuais ou coletivas) visibilize muitas representações de outros tempos vividos, cuja documentação, sobretudo escrita e "oficial", não conseguiu evidenciar. Ainda assim, se não fosse apenas a preocupação com as fontes de pesquisa, os próprios profissionais de história por vezes fundaram suas apreciações em metanarrativas e macroabordagens, homonegeizadoras e discriminatórias das experiências humanas, sobretudo daquelas notadamente "nacionais" ou "regionais" que, seja por escolhas espaciais ou simbólicas, acabaram por cercear o reconhecimento da diferença e o direito ao passado de muitos personagens no tempo. Para tanto, esse simpósio temático pretender reunir historiadores e demais interessados cujo interesse comum recaia nos usos da memória e da oralidade em seu interstício com a operação historiográfica, enquanto atos inventivos que procuram representar e enunciar o passado, possibilitando novas descobertas sobre o tempo vivido, entre práticas e representações.

12 História Oral, Memória e Acervo
Rosilene Dias Montenegro - UFCG
 

A presente proposta de Simpósio Temático sob o tema: História Oral, Memória e Acervo têm como objetivo propiciar o conhecimento e a troca de experiências entre os professores e pesquisadores de história que se encontrem utilizando a metodologia da história oral em estudos de assuntos relacionados à memória e acervo, especialmente a constituição de acervos institucionais.

13 História, memória e Patrimônio Cultural
Genes Duarte Ribeiro UFPB
 

Tendo em vista as dificuldades de compreensão do conceito de Patrimônio e a sua amplitude nos dias atuais, este simpósio pretende dialogar com os diferentes estudos que se interessam em discutir as possibilidades de interação entre a História, Memória e o Patrimônio cultural brasileiro. Dessa forma pretendemos abordar na nossa discussão os conflitos, representações simbólicas, historiografia, construções sociais e culturais em torno do patrimônio material e imaterial.

14 Teoria Social, História Social e Historiografia
Regina Célia Gonçalves - UFPB
Glaudionor Gomes Barbosa - UFPE
 

Este simpósio propõe a reflexão sobre as relações entre a teoria social, a história e a historiografia, enfatizando fundamentalmente como, nesse campo, os historiadores têm pensado as temáticas relativas ao indivíduo e sociedade, aos sujeitos e estruturas, nas diferentes temporalidades.Todos os trabalhos, independente do recorte espacial/temporal,que se situem no campo da história social e que sustentem uma reflexão teórica sobre ele, serão considerados adequados ao ST. Serão particularmente bem vindos aqueles que tratem da História Social Inglesa e da obra dos historiadores a ela vinculados.

15 Sertões e Identidades no Contexto das Discussões Historiográficas
Silvana Vieira de Sousa - UFCG
Alba Cleide Wanderley - UFPB
 

Essa proposta visa articular a discussão dos estudos sobre temáticas da história cultural e religiosa do sertão paraibano e das identidades sertanejas objetivando preencher uma lacuna na historiografia de estudos críticos sobre as formas com que esse espaço sua gente e sua cultura têm sido tradicionalmente abordadas à luz de novos estudos e pesquisas hoje desenvolvidas. Os estudos sobre a vida social do sertão e das identidades sertanejas da Paraíba, ainda estão em sua maioria presos aos modelos tradicionais cujas abordagens de caráter econômicas ou políticas condicionavam o social e cultural a uma determinação dessas instâncias. Apenas umas poucas notas na historiografia econômica dos anos trinta. Os sertões seu povo, sua cultura e sua economia, espécie de prima pobre da promissora economia agro-exportadora do açúcar, ganhavam algumas páginas na historiografia sobre a colônia informando sobre a interiorização. Igualmente, toma corpo no imaginário e na historiografia uma representação do sertão como uma sociedade exótica, um povo rude, porém, acolhedor. Um tipo "cabeça chata" pouco afeito a especulações tendo sua experiência prática e intimidade com o meio natural, como espelho de sua vida.
Assim, um dos temas preferenciais da história cultural: a religiosidade, com seu leque de tradições e festas ocupam cada vez mais espaço no mundo dos historiadores que lidam com a historia social. Nesse sentido, a proposta de aglutinação de estudos sobre cultura e sociedade no sertão paraibano se orienta por uma necessidade que mais que buscar o que a cultura do sertão e das identidades sertanejas da Paraíba apresenta de tradição ou de mudança nos importamos em reflexões e estudos sobre os modos pelos os quais suas práticas culturais são reelaboradas, re-significadas, bem como apreender suas dimensões simbólicas e operacionais para os tipos de vida que escolheram viver.
Entender significados e re-significados dos mais variados repertórios culturais como orientação metodológica assumida pelos novos estudos da história social, são as orientações a que estão submetidas os estudos das culturas do sertanejo paraibano, dos indivíduos comuns suas alegrias e tristezas suas formas de crença e suas praticas culturais como modos de inserção no meio social. São orientações advindas de estudos que hoje fazemos sobre o universo das festas religiosas no sertão paraibano a exemplo da pesquisa que realizamos sobre as festas de São Lazaro nos municípios de Cajazeiras e Cachoeira dos Índios e estudos sobre as irmandades religiosas dos afro-descendentes nos municípios de Santa Luzia e Pombal.

16 Da História Local à Construção da História Regional: O Negro na Arte, Mídia e Literatura
Patricia Cristina de A Araújo - UEPB
Maria Lindaci Gomes de Souza - UEPB

Este Simpósio Temático propõe ser um espaço de discussão e difusão de estudos sobre negros e negras, tendo como eixos norteadores a literatura, a arte e a mídia na representação e visibilidade da etnia negra para construção da história local e regional.

17 História e a Literatura: Usos e Abusos da Linguagem
Vanuza Souza Silva - UEPB
Manuela Aguiar - UEPB

Este Simpósio Temático tem como objetivo principal a discussão sobre as práticas literárias (poesia, teatro, literatura, contos, crônicas,) e o diálogo que criam com a história nas diferentes sociais brasileiras, como forma de refletirmos sobre o fazer literário e seus efeitos dentro de um dado contexto social. Como sugere Hyden White e Foucault a literatura é uma linguagem que significa o mundo, que dá sentido às coisas e pessoas, inventando realidades, desse modo, é necessário pensarmos: O que diz uma obra num determinado contexto social? Como é possível se constituir como autor numa dada sociedade? Que memórias e histórias as obras e seus autores criam sobre uma determinada época? Sabemos que o embate do século XIX que tentou definir um lugar para a literatura e para a história, tentando separar estes dois saberes, embate que está sendo atualizado pelo discurso da pós modernidade que desloca a questão e inscreve a idéia de que entre história e literatura há muito mais aproximação e semelhanças do que diferenças, nesse sentido, é necessário (re) pensarmos a relação história e literatura não mais para criar lugares de distanciamento, mas pensar ambos saberes - história e literatura - como linguagens que significando têm suas especificidades e maneiras próprias de definir o mundo, o social, desse modo, não é mais a questão: ficção ou realidade?, Mas os referenciais, as regras discursivas que cada saber tem para significar as coisas e pessoas. Pensar que a história é verdade e literatura é ficção, é uma questão que não mais dá conta dessa relação na nossa sociedade, porque se são linguagens, história e literatura usufruem tanto dos efeitos da verdade quanto da ficção. Este simpósio é uma atualização deste embate, sobretudo, uma maneira de aprofundarmos a discussão que percebe a importância da literatura pelo historiador a partir de outras questões.

18 Graciliano Ramos e o Regionalismo de 30
Clidenildo Domingos Guimarães - UEPB

Fazendo o recorte temporal das décadas de 30 e 45 no Nordeste, período onde começam e se acirram as discussões sobre modernismo e regionalismo nordestino, apresento nesse trabalho como Graciliano Ramos constrói o nordeste, nesse contexto, analisando os romances Vidas Secas e São Bernardo para assim perceber como o mesmo pensa o regionalismo nordestino. Graciliano Ramos apresenta um sertão sofrido pelo processo de modernização, fome, seca e miséria. Busco assim entender como o autor projetou esse ideal e como este ganhou visibilidade no cenário nordestino e nacional. Discuto sua literatura regionalista da década de 30, analisando sob que aspectos essa mesma literatura construiu o Nordeste. Assim busco em Michel Foucault o suporte teórico para a compreensão do discurso como produto da dinâmica social, pontuando o fato de que nada que dizemos pode ser compreendido sem levarmos em conta as relações que um discurso mantém com outros que circulam na nossa cultura, pensando a figura do autor, percebo que o lugar de onde essa fala sustenta sua posição em relação a uma rede de referencias, situada em um momento histórico e sob determinadas condições físicas, lingüísticas e sociais, onde a autoria deixa de ter sentido restrito de posse ou propriedade do que se diz ou que se escreve e passa a ser vista como procedimento de produção do discurso.

19 Sagrado e Profano: As Festas nas Irmandades de Pardo no Pernambuco Colonial
Janaina Santos Bezerra UFRPE
 

O presente trabalho intitulado, Sagrado e Profano: As Festas nas Irmandades de Pardo no Pernambuco Colonial propõe-se a discutir o papel e a posição dos pardos na sociedade colonial. Para isto, achamos por melhor fazer um estudo de suas festas no âmbito das irmandades religiosas, buscando identificar os sujeitos políticos e sociais que dela tomaram parte e as relações que teciam entre si. Assim, utilizamos uma abordagem culturalista da história para observar as festas realizadas por essas irmandades, considerando-as assim, como comemorações que, além de proporcionar aos participantes horas de diversão e de exteriorização pública de fé católica, constituíram igualmente veículo de expressão de uma dada categoria étnica e social. Logo, consideramos que existia um grande contingente de pessoas pardas com ascensão social, mas sem inserção, pois viviam em uma sociedade em que os valores sociais e culturais se davam através da cor e não pelo acumulo de bens. Assim, com a nova condição, o pardo encontrou nas festas realizadas por suas irmandades, um momento especial para fazer-se ver e ouvir, exibir a capacidade de organização do grupo, consolidar posições e prestígio conquistados e buscar outros ainda não alcançados.

20

As identidades e alteridades na pós-modernidade: O corpo e a educação do olhar, do sentir, do dizer e do fazer
Profa. Regina Coelli Gomes do Nascimento UFCG
Profa. Kyara Maria Almeida Vieira - UEPB

Pretende-se discutir sobre a filosofia da diferença, situando os participantes no debate sobre o lugar que a identidade e a diferença ocupam no âmbito das manifestações culturais, de modo a traçar um panorama das implicações da diversidade cultural humana e dos novos espaços de sociabilidade dela decorrente. Serão analisadas questões ligadas às relações entre corpo, sexualidade, poder e educação, Globalização/Mundialização, consumo, masculinidades, feminilidades e autoconstituição do sujeito na pós-modernidade.